Twitter Facebook Youtube
Celebração do Dia Internacional da Mulher: A CEDEAO valoriza os esforços em matéria de autonomização das mulheres dos Estados-membros em tempos de COVID-19.
“Partilha em linha das inovações realizadas pelas mulheres transformadoras de produtos agrícolas, haliêuticos e artesanais nos Estados-membros da CEDEAO para serem resistentes à pandemia da COVID-19”, este foi o tema central da sessão virtual iniciada esta terça-feira, 16 de março de 2021, pelo Centro da CEDEAO para o Desenvolvimento do Género (CCDG). Esta iniciativa foi tomada para celebrar a edição 2021 do Dia Internacional da Mulher.

Dacar, Senegal, a 18 março de 2021. Este ano, a celebração do DIM 2021 foi marcada pela organização de uma sessão virtual de partilha de experiências e inovações das mulheres transformadoras de produtos agrícolas, haliêuticos e artesanais para serem resilientes às consequências da pandemia da COVID-19 nos Estados-membros da CEDEAO. Esta iniciativa do Centro da CEDEAO para o Desenvolvimento do Género (CCDG), realizada na manhã de terça-feira, 16 de março de 2021 através da plataforma de comunicação virtual Zoom, foi oficialmente lançada pela Dr. Siga Fatima JAGNE, a Comissária da CEDEAO para os Assuntos Sociais e de Género.

Esta sessão contou com a participação dos representantes dos Ministérios responsáveis pelos assuntos da Mulher, Género e Família dos Estados-membros da CEDEAO, agrupamentos e redes de mulheres beneficiárias do “Programa de apoio técnico e financeiro do CCDG às mulheres intervenientes na transformação de produtos agrícolas, haliêuticos e artesanais”, estruturas de acompanhamento ao empreendedorismo e/ou microfinanças, os membros dos Comités Nacionais de Pilotagem do Programa de Transformação, bem como os parceiros técnicos e financeiros envolvidos na agricultura, pecuária e pesca, em particular os intervenientes na transformação de produtos agrícolas, haliêuticos e artesanais na África Ocidental.

No seu discurso de abertura, a Comissária JAGNE mencionou a persistência dos obstáculos sociais e culturais que travam a liderança das mulheres, apesar dos esforços de alguns Estados-membros para a participação das mulheres na tomada de decisões políticas e económicas através da aprovação de leis sobre a paridade e quotas: “Novos desafios surgiram com a pandemia da COVID-19: aumento da violência doméstica e baseada no género, perda de rendimentos, pobreza, aumento dos casamentos de crianças, de mutilações genitais femininas, etc. E ainda assim, face à COVID-19, as mulheres estão na linha da frente e figuram entre os líderes mais eficazes na luta sanitária, comunitária e social”. Ela terminou a sua intervenção com um apelo às mulheres: “….. para que as mulheres tomem o seu lugar a 100%, terão necessariamente de mostrar audácia para ultrapassar os muitos obstáculos associados a estereótipos, preconceitos: porque a liderança feminina é uma luta diária!”

Foram realizados vários debates temáticos durante a reunião, nomeadamente: a cartografia das boas práticas e inovações do programa de transformação dos produtos agrícolas, haliêuticos e artesanais da CEDEAO, a apresentação das experiências de certos Estados-membros (Benim, Cabo Verde, Gâmbia, Senegal) e a partilha das experiências do CORAF (Conselho Oeste e Centro-Africano de Investigação e Desenvolvimento Agrícola) sobre exemplos de tecnologias sensíveis às questões de género. Na sequência das discussões, foram apresentadas as principais linhas do roteiro para acompanhar as mulheres transformadoras durante os períodos da COVID e pós-COVID, bem como eventuais pistas de parcerias, em especial nos domínios do acesso às tecnologias e à propriedade fundiária, da comercialização dos produtos e do financiamento das iniciativas das mulheres.

Várias recomendações foram formuladas durante esta sessão virtual. Entre outras coisas, os participantes exortaram o CCDG a prosseguir iniciativas de apoio às mulheres transformadoras de produtos agrícolas, haliêuticos e artesanais nos Estados-membros da CEDEAO, a fim de lhes permitir superarem os constrangimentos relacionados com o acesso às tecnologias, financiamento e desenvolvimento das competências. No que diz respeito às experiências de transformação de produtos agrícolas, haliêuticos e artesanais, os participantes recomendaram que o CCDG faça um trabalho de advocacia junto dos Ministérios responsáveis pelas questões de género para facilitar a transferência de tecnologias sensíveis ao género para as organizações, e para apoiar o desenvolvimento de relações interprofissionais entre os produtores e os comerciantes para incentivar uma melhor comercialização dos produtos.

Quanto às tecnologias sensíveis ao género, os participantes apelaram ao CCDG para desenvolver plataformas de intercâmbio de experiências e formação em tecnologias simples e práticas, em benefício das mulheres e das suas organizações. Sobre o roteiro, o CCDG é convidado a promover o consumo dos produtos locais através de uma campanha de advocacia junto dos governos para a tomada de medidas de apoio destinadas aos produtores e às suas organizações relativamente ao escoamento dos seus produtos e ao acesso aos equipamentos e embalagem adequados.

Por último, no que diz respeito às pistas de parceria, os participantes solicitaram, entre outros, ao CCDG que iniciasse uma colaboração com instituições como o FIDA, a Cooperação Canadiana, o Banco Árabe para o Desenvolvimento de África (BADEA), a Agência Pan-Africana da Grande Muralha Verde, o Plan International, ONU Mulheres, Parceria Regional para a Água, CORAF/WECARD, a fim de facilitar a divulgação em grande escala de tecnologias às mulheres líderes e suas organizações.

Share on :

Twitter Facebook Google Plus Linkedin Youtube Instgram
Próximos Eventos

2021 Plan Annuel de passation de marché
01 Abr 2021 - 31 Dez 2021 [Commission de la CEDEAO]

2020 Procurement Plan
14 Jul 2020 - 31 Jul 2021 [ECOWAS Commission]

2019 Procurement Plan
14 Jul 2020 - 31 Jul 2021 [ECOWAS Commission]