Profissional Principal, Vigilância e Alerta Precoce – P5

              PERFIL DO POSTO Ref.: ECW/HR/08051935 
POSIÇÃO Profissional Principal, Vigilância e Alerta Precoce – P5
INSTITUIÇÃO Organização Oeste Africana da Saúde (OOAS)
NÍVEL P5
Salário Anual UA 66,123.98 USD 104,330.42
AGÊNCIA Centro Regional de Vigilância e Controlo das Doenças (CRVCD)
Local de Afectação Abuja/Nigeria
 Posicao Permanente
DEPARTAMENTO Gabinete do Director Geral
DIRECÇÃO Centro Regional de Vigilância e Controlo das Doenças (CRVCD)
DIVISÃO Vigilância e Alerta Precoce
SUPERVISOR DIRECTO Director Executivo
SUPERVISIONARÁ

 

Especialista de Eventos Sanitários e Profissional da Comunicação
Applications should be sent to: b1pposurvEWRCDC@ecowas.int

 VISÃO GERAL DA FUNÇÃO

Sob a supervisão do Director Executivo, o incumbente deve assegurar a detecção precoce das ameaças à saúde pública e avaliar, conceber e apoiar a aplicação de estratégias de intervenção adequadas que permitam à Comunidade e aos Estados membros atenuar os efeitos dessas ameaças.

 

PAPÉIS E RESPONSABILIDADES

·         Liderar a preparação e implementação da Política Regional de Vigilância Sanitária e Alerta Precoce;

·         Monitorizar a implementação da Política Regional de Vigilância Sanitária e Alerta Precoce;

·         Monitorizar a implementação de acções específicas sobre a prevenção e o controlo das doenças em África Ocidental;

·         Coordenar os dados e informações da saúde pública sobre as capacidades de resposta dos países durante o surto de urgência sanitária;

·         Fornecer à Administração uma análise situacional do estado de saúde dos países membros para uma tomada de decisão atempada e acções adequadas;

·         Prestar apoio técnico à preparação e resposta aos principais riscos sanitários, em especial no domínio das doenças infecciosas e dos eventos transfronteiriços que constituem ameaças graves para a saúde pública;

·         Coordenar as actividades da rede de Instituições Nacionais de Coordenação (INC)/Institutos Nacionais de Saúde Pública (INSP)/CDC nacionais nos Estados membros da CEDEAO.

QUALIFICAÇÕES ACADÉMICAS E EXPERIÊNCIA

•      Mestrado (ou equivalente) em saúde pública, epidemiologia ou áreas afins relevantes de uma universidade reconhecida;

•      10 anos de experiência profissional incluindo 5 anos a nível de supervisão;

•      conhecimento em gestão e implementação de programas complexos de saúde pública envolvendo gestão de epidemias, vigilância sanitária e urgências sanitárias;

•      conhecimento de princípios e práticas da gestão de epidemias e urgências sanitárias;

•      Experiência de destacamento nacional e internacional em equipas de investigação multidisciplinares;

•      Experiência na implementação de estratégias de vigilância e luta contras as doenças;

•      experiência em vigilância e doenças emergentes e re-emergentes;

•      experiência na organização de sistemas de saúde, políticas e formação de profissionais da saúde.

 LIMITE DE IDADE·         Ter menos de 50 anos. Esta disposição não se aplica a candidatos internos.

 

PRINCIPAIS COMPETÊNCIAS DA CEDEAO

•      capacidade de liderança em programas e projectos atribuídos, fornecendo a necessária perícia de gestão e operacional para o cumprimento do mandato da organização;

•      capacidade de liderar pelo exemplo e organizar o trabalho em equipa para incentivar a cooperação para alcançar resultados específicos, liderar e construir o impulso para a mudança e suscitar o envolvimento dos colaboradores; desenvolver e implementar controlos internos para o programa piloto para gerir potenciais obstáculos à implementação;

•         capacidade de respeitar a hierarquia de forma adequada;

•      excelentes capacidades de autogestão, demonstrando ética e integridade, confidencialidade e respeito pelos controlos internos das regras, delegações e transparência;

•      conhecimento de gestão de programas no nível geralmente adquirido a partir de uma certificação em gestão de programas.

•      capacidade de pesquisar marcos de referência e tendências para produzir as melhores recomendações para o desenvolvimento e melhoria de programas/projectos que melhor sirvam a Comunidade/organização;

•      competências interpessoais e redes bem desenvolvidas para a busca de feedback, informações e dados de uma rede de profissionais de vários países/sectores/organizações e para identificar e priorizar os requisitos mais críticos da Comunidade;

•      capacidade de desenvolver e implementar boas práticas nos serviços ao cliente;

•      capacidade de desenvolver e implementar planos, programas e iniciativas de gestão das partes interessadas para obter a adesão a novas iniciativas, compreender melhor os pontos de vista divergentes, obter recursos e aumentar as percepções de sucesso.

·         capacidade de ser diplomático, atencioso e respeitoso com outras pessoas de origens variadas, compreendendo diversos pontos de vista culturais, especialmente na África Ocidental, com a capacidade de converter a diversidade em oportunidades para melhorar os resultados do programa e operacionais;

•   capacidade de permanecer objectivo na gestão de conflitos independentemente das diferenças/posições culturais, diferenças do género e incentivar outros membros do pessoal a ultrapassar as parcialidades e diferenças culturais e do género;

•      capacidade e responsabilidade pela incorporação de perspectivas do género e garantir a participação equitativa de homens e mulheres em todas as áreas de trabalho;

•   capacidade de servir o interesse de equipas/organizações/ comunidades multinacionais culturalmente diversas e pessoas portadoras de deficiência sem preconceito e parcialidade.

•      compreensão da estrutura organizacional da CEDEAO, das dinâmicas associadas e das expectativas necessárias para colaborar, participar, contribuir e liderar eficazmente;

•      conhecimento do mandato da CEDEAO, do plano estratégico/prioridades, bem como da situação económica, política e social e as tendências nos Estados membros, no que diz respeito ao próprio âmbito do trabalho;

•      conhecimento das boas práticas internacionais, abordagens de gestão de programas e técnicas de pesquisa para liderar e/ou contribuir para o desenvolvimento ou avaliação de programas, projectos ou iniciativas;

•      capacidade de utilizar as regras e procedimentos da CEDEAO para interpretar e aplicar adequadamente o texto da directiva, prestar aconselhamento técnico, orientar outras pessoas e avaliar o desempenho.

•      capacidade de reunir informações de diferentes fontes para identificar a causa dos problemas, as consequências das causas alternativas de acção, os potenciais obstáculos e as formas de evitar o problema no futuro;

•      capacidade de decompor situações/informações muito complexas em termos simples para explicar recomendações e conclusões destinadas a resolver problemas ou melhorar operações/programas/projectos;

•      capacidade de desenvolver novas perspectivas sobre situações, aplicar soluções inovadoras aos problemas e conceber novos métodos para resolver problemas ou incoerências quando os métodos e procedimentos estabelecidos forem inaplicáveis ou já não forem eficazes.

·         capacidade de comunicar com impacto, clareza e de forma concisa, sucinta e organizada, transmitindo credibilidade e confiança ao fazer apresentações, estabelecer expectativas e explicar questões complexas;

•         habilidades técnicas de redação e edição bem-sucedidas;

·         exibir habilidades de audição ativa para incentivar uma comunicação mais intensa entre os membros da equipa, para demonstrar cuidado e fazer com que se sintam valorizados e promover o envolvimento dos colaboradores em todas as instituições e agências;

•         capacidade de fornecer feedback construtivo, reconhecimento, abordar as deficiências e motivar os subordinados directos a darem o seu melhor;

·         conhecimentos de informática e proficiência em tecnologias da informação e comunicação (TIC), incluindo a utilização de bases de dados analíticos;

·         proficiência oral e escrita em uma das três línguas oficiais da CEDEAO (Inglês, Francês ou Português). Conhecimento prático de uma outra língua será uma vantagem.

·         capacidade de estabelecer metas e objectivos eficazes para si próprio, para os outros e para a unidade de trabalho e de ajustar as prioridades do trabalho ou do projecto em resposta à evolução das circunstâncias;

•   capacidade de usar a abordagem participativa no planeamento de projectos e identificar lacunas que afectam a realização das expectativas do programa/projecto e de conceber e implementar planos de intervenção necessários para construir a tarefa desejada;

•   capacidade de aplicar práticas rigorosas de monitorização e avaliação e estabelecer calendários de apresentação de relatórios periódicos relevantes para os principais resultados;

•   capacidade de planear, organizar, controlar recursos e cumprir políticas, procedimentos e protocolos para atingir objectivos específicos.

 

 

 

Share on :

Twitter Facebook Google Plus Linkedin Youtube Instgram