Director Centro Regional de Vigilância e Controlo das Doenças (atualizada) -D1

        PERFIL DO POSTO                                                                    

Ref.: ECW/HR/08051936 

POSIÇÃO Director Centro Regional de Vigilância e Controlo das Doenças (CRVCD)
INSTITUIÇÃO Organização Oeste Africana da Saúde (OOAS)
CATEGORIA D1
STATUS 4 anos fixos, renovável por um mandato final
Salário Anual UC 81,435.54  USD 128,488.99
AGÊNCIA Centro Regional de Vigilância e Controlo das Doenças (CRVCD)
Local de Afectação Abuja/Nigeria
 Posicao renovável
DEPARTAMENTO Gabinete do Director Geral
DIRECÇÃO Centro Regional de Vigilância e Controlo das Doenças (CRVCD)
DIVISÃO  
SUPERVISOR DIRECTO Director Geral, OOAS
SUPERVISIONARÁ

 

·         Profissional Principal, Vigilância e Alerta Precoce

·         Profissional Principal, Serviços Laboratoriais

·         Profissional Principal, Urgência Sanitária e Gestão de Catástrofes

·         Chefe, Administração e Finanças

·         Pessoal “de Apoio” Relevante, por exemplo: Africa CDC

 

Applications should be sent to: b1directorrcdc@ecowas.int

 

VISÃO GERAL DA FUNÇÃO

Sob a supervisão do Director Geral da OOAS, sob o controlo do Conselho de Administração e em conformidade com o regulamento interno, o Director Executivo será responsável pela gestão global dos programas do Centro Regional de Vigilância e Controlo das Doenças da CEDEAO, com vista a lutar contra os surtos de epidemias e doenças na região. Prestará assistência técnica aos Estados membros da CEDEAO no reforço das suas capacidades para um controlo e prevenção mais eficazes das doenças e outras urgências, através do reforço da vigilância das doenças e da intervenção rápida às emergências, e criará mecanismos testados para responder às emergências quando estas surgirem.

 

 

 

PAPÉIS E RESPONSABILIDADES

·         Liderar o desenvolvimento do quadro estratégico do Centro;

·         Desenvolver um plano de acção para a implementação do plano estratégico;

·         Liderar o desenvolvimento do Plano Anual do Centro;

·         Monitorizar a implementação dos programas de trabalho anuais e das decisões aprovadas;

·         Controlar a despesa financeira do Centro;

·         Validar a declaração de rendimento e despesa;

·         Apresentar relatórios financeiros regulares à OOAS;

·         Apresentar relatórios de actividade anuais à OOAS;

·         Incentivar a pesquisa e o desenvolvimento do capital humano;

·         Alinhar as actividades do Centro com as de Africa CDC;

·         Estabelecer contacto com o Director de Africa CDC e os Chefes de INC/INSP dos Estados membros;

·         Executar qualquer outra tarefa atribuída pelo supervisor.

QUALIFICAÇÕES ACADÉMICAS E EXPERIÊNCIA

•         Mestrado em medicina, saúde pública, epidemiologia ou ciências da saúde ou áreas afins relevantes de uma universidade reconhecida;

•      12 anos de experiência profissional em Saúde Pública incluindo pelo menos 6 anos de trabalho relevante a nível internacional e 5 anos a um nível de supervisão;

•      Experiência técnica em vigilância da doença/serviços laboratoriais e preparação e resposta;

•      conhecimento de princípios e práticas da gestão de epidemias e urgências sanitárias;

•      capacidade de desenvolver quadros de programas de saúde;

•      conhecimento de questões de urgências sanitárias, gestão de catástrofe, alerta precoce e serviços laboratoriais;

•      experiência na implementação de estratégias de vigilância e luta contras as doenças;

•      experiência em gestão e implementação de programas de saúde pública complexos;

•      experiência de destacamento nacional e internacional de equipas de investigação da saúde multidisciplinares;

•      experiência de trabalho em saúde pública em África será uma vantagem.

 

LIMITE DE IDADE·

——————— sem exigência de idade ——————————————–

 

PRINCIPAIS COMPETÊNCIAS DA CEDEAO

•      capacidade de fornecer liderança, gestão e supervisão técnica para todas as actividades do projecto e resultados do programa de acordo com as práticas e normas legais e administrativas da CEDEAO;

•      capacidade de realizar avaliações periódicas do desempenho do pessoal em conformidade com o sistema de gestão do desempenho da CEDEAO e de orientar o pessoal para assegurar níveis elevados de motivação, empenho, capacidade e trabalho de equipa;

•      capacidade de supervisionar a gestão de projectos, os controlos internos e a gestão de recursos financeiros e de abordar questões de uma forma confiante e capaz, ao mesmo tempo que toma decisões que exemplificam a tomada de decisões imparciais e apartidárias;

•      conhecimento do mandato da CEDEAO, do plano estratégico/prioridades, bem como das tendências/estados económicos, políticos e sociais dos Estados membros, no que diz respeito ao próprio âmbito do trabalho;

•      demonstrar consistência em acções, valores, métodos, confidencialidade, ética, medidas, princípios, expectativas e resultados que conota um profundo compromisso de fazer o que é certo por bons motivos, independentemente das circunstâncias;

•      capacidade de estabelecer e manter relações de trabalho eficazes com os chefes das instituições, funcionários eleitos e funcionários estatutários para facilitar o cumprimento, construir engajamento, resolver conflitos e obter apoio para a mudança;

•      capacidade de respeitar a hierarquia de forma adequada;

·         capacidade de exercer iniciativa e desenvoltura necessárias para atender simultaneamente a uma variedade de necessidades das partes interessadas, realizar múltiplas tarefas e alcançar resultados positivos;

•   capacidade de criar sinergias com grupos de clientes e outros para alcançar objectivos na definição e monitorização de padrões de serviço e indicadores;

•   capacidade de motivar e engajar os outros na promoção ou adopção das boas práticas nos serviços ao cliente;

•   capacidade de identificar e melhorar serviços e interacções do cliente através de redes apropriadas e criar formas inovadoras de abordá-los de forma responsável e transparente.

·         conhecimento do ambiente regulador anti discriminação/direitos humanos e capacidade de apresentar estratégias para promover um ambiente de trabalho inclusivo e uma organização saudável que respeita a diversidade cultural e a igualdade de género e livre de assédio e discriminação;

•   compreensão das diversas visões culturais, especialmente na África Ocidental, ser sensível às diferenças de grupo, questões de género e capacidade de contribuir para, advogar por, e/ou desenvolver políticas que sejam sensíveis ao género e receptivas a várias culturas;

•   capacidade de promover um ambiente de trabalho interactivo diversificado e inclusivo que possa efectivamente reunir um amplo espectro de ideias e experiências para resolver problemas, desenvolver projectos/programas e melhorar os resultados;

•      capacidade e responsabilidade pela incorporação de perspectivas do género e garantir a participação equitativa de homens e mulheres em todas as áreas de trabalho;

•         capacidade de permanecer objectivo na gestão de conflitos independentemente das diferenças/posições culturais, diferenças do género e incentivar outros membros do pessoal a ultrapassar as parcialidades e diferenças culturais e do género.

·         compreender a estrutura organizacional da CEDEAO, cultura e dinâmica do local de trabalho;

•   capacidade de aplicar o conhecimento do quadro jurídico, prioridades estratégicas e normas operacionais da CEDEAO para desenvolver/modernizar políticas e programas e/ou implementar políticas e programas de forma sustentável e eficaz;

•   perspicácia política, social e empresarial bem desenvolvida, demonstrando um grande compromisso com a visão e o mandato da CEDEAO juntamente com um vasto conhecimento das situações e tendências económicas, políticas, e sociais nos Estados membros;

•   capacidade de discernimento e de decisão em assuntos relacionados com o desenvolvimento de políticas e estratégias importantes para a realização do mandato da CEDEAO e para a melhoria dos resultados para os Estados membros.

·         capacidade de analisar relatórios, bem como a dinâmica socioeconómica e institucional e reconhecer áreas de potenciais obstáculos ou desafios e desenvolver soluções inovadoras ou alternativas para enfrentar os obstáculos e alcançar prioridades estratégicas/operacionais;

•   capacidade de antecipar e interpretar os efeitos das mudanças ambientais (sociais, económicas e políticas) e seu impacto e formular recomendações;

·         capacidade de identificar/abordar os pontos fortes e fracos, estimular a criatividade, reduzir a resistência à mudança e melhorar a realização dos objectivos estratégicos;

•   capacidade para tomar decisões prudentes relativas à gestão dos recursos humanos, financeiros e materiais.

·         capacidade de ouvir activamente e compreender as perspectivas dos outros para fazer afirmações, decisões ou recomendações informadas;

•         capacidade de comunicar com clareza e convicção, fazer apresentações convincentes que promovem novas percepções, ideias e perspectivas e uma melhor compreensão das questões e dos desafios;

·         excelentes aptidões de negociação e gestão de conflitos com foco na construção e desenvolvimento de relações eficazes e colaborativas;

·         conhecimentos de informática e proficiência em tecnologias de informação e comunicação (TIC);

·         proficiência oral e escrita em uma das três línguas oficiais da CEDEAO (Inglês, Francês ou Português). Conhecimento prático de uma outra língua será uma vantagem.

•         capacidade para elaborar planos, definir objectivos claros de forma coerente e ter uma supervisão eficaz das práticas de gestão do desempenho para assegurar que os objectivos e normas são cumpridos;

•         capacidade de estabelecer metas/resultados eficazes e gerir a mudança de uma forma que demonstre resiliência, serenidade e uma perspectiva positiva num ambiente de incerteza e ambiguidade;

•         capacidade de implementar planos, mobilizar/engajar pessoas, identificar factores de sucesso críticos, atenuar riscos, monitorizar indicadores e feedback, iniciar medidas correctivas e desenvolver capacidades para a sustentabilidade;

•         capacidade de instituir práticas rigorosas de monitorização e avaliação e de aprender com os percalços e erros para garantir a melhoria contínua.

 

 

Share on :

Twitter Facebook Google Plus Linkedin Youtube Instgram