Twitter Facebook Youtube

Chefe da Divisão dos Serviços de Biblioteca, Documentação e Pesquisa, P5

TÍTULO DO POSTO Chefe da Divisão dos Serviços de Biblioteca, Documentação e Pesquisa, P5
INSTITUIÇÃO Parlamento da CEDEAO
GRAU P5
SALÁRIO ANUAL UC66, 123.98, USD104, 330.42
STATUS PERMANENTE
DIREÇÃO Assuntos Parlamentares e Pesquisa
DIVISÃO Serviços de biblioteca, documentação e pesquisa
SUPERIOR HIERÁRQUICO Director dos Assuntos Parlamentares e Pesquisa
SUBORDINADOS  – Responsável da pesquisa parlamentar

– Bibliotecário / Documentalista

LOCAL D’AFECTAÇÃO ABUJA,NIGERIA

As candidaturas devem ser submetidas para: b14parlpolibdocr@ecowas.int

VISÃO GERAL DA TAREFA

Sob a supervisão do Diretor dos Assuntos Parlamentares e Pesquisa, o titular é responsável de elaborar, de promover e de garantir o funcionamento eficiente da Biblioteca do Parlamento e de garantir excelentes serviços de pesquisa e de documentação, de acordo com as melhores práticas internacionais, respondendo às necessidades de informação e conhecimento do Parlamento.

 

PAPEL E RESPONSABILIDADES

  • Fornecer orientação geral no funcionamento da Divisão;
  • Planificar, coordenar e supervisionar o trabalho da Divisão;
  • Supervisionar o pessoal da biblioteca para assegurar uma prestação de serviços dentro das normas e das exigências de um parlamento regional
  • Supervisionar o desenvolvimento de coleções e a gestão de recursos de informação de acordo com as melhores práticas internacionais;
  • Conduzir e coordenar a pesquisa nos domínios de interesse e que visam apoiar o Parlamento e as suas comissões;
  • Afetar o pessoal para efetuar pesquisas à pedido de cada Deputado ou comissão do Parlamento;
  • Proporcionar conselhos técnicos à Direção sobre as políticas e as práticas em matéria de biblioteca e de pesquisa;
  • Compilar estatísticas e dados relevantes para publicação;
  • Garantir o arquivamento em tempo oportuno e de forma eficaz de todos os dossiers e documentos do Parlamento;
  • Representar o Parlamento da CEDEAO no quadro das reuniões interinstitucionais tendo por missão implicar a instituição sobre as questões de política relacionada com áreas de responsabilidade funcional indicadas;
  • Coordenar a utilização de novas tecnologias para reforçar os serviços fornecidos ao nível da Divisão;
  • Preparar o orçamento da divisão;
  • Qualquer outra tarefa que o superior hierárquico lhe possa confiar.

 

FORMAÇÃO ACADÉMICA E EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Ser titular de um Mestrado / Master em Ciência bibliotecária e de informação, ou qualquer outro domínio relacionado, obtido junto de uma universidade reconhecida

  • 10 (dez) anos de experiência profissional em assuntos públicos, incluindo 5 (cinco) anos a nível de supervisão;
  • Uma experiência em funções de apoio á documentação, como o referenciamento, a terminologia, a edição e o processamento de documentação oficial, é uma mais-valia. Experiência s documentação, de sistemas monitoramento de desempenho e de gestão financeira, tal como o Sistema de Gestão de Documentos, de Conferências e de Produção (DCPMS);
  • Ter conhecimento e compreensão de teorias, conceitos e métodos específicos para o setor ou domínio de atividade em questão ou para outra disciplina especializada;
  • Familiarizado com as regras e diretrizes da CEDEAO para controlar e limitar a documentação e os serviços de reuniões.
  • Possuir um bom conhecimento académico de uma ampla variedade de assuntos tratados pelo Parlamento;
  • Uma experiência profissional num parlamento nacional ou regional seria uma vantagem adicional.

 

LIMITE DE IDADE

Ter menos de 50 anos. Esta disposição não se aplica a candidatos internos.

 

COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS RELACIONADAS COM A CEDEAO

  • Ser capaz de dirigir os programas e os projetos atribuídos, implementando a experiência em gestão e operações necessárias à execução do mandato da organização (ex.: estabelecer redes, orientações);
  • Saber liderar pelo exemplo e organizar o trabalho em equipa, de modo a incentivar a cooperação para alcançar os resultados desejados, promover a mudança e suscitar o comprometimento dos funcionários;
  • Ser capaz de respeitar a linha hierárquica como deveria;
  • Justificar excelentes habilidades em autogestão, fazer prova da ética, da integridade, de confidencialidade e respeito no controlo interno das regras, das delegações e da transparência;
  • Ter a capacidade de reunir habilidades e conhecimentos especializados complementares; avaliar as contribuições individuais, reconhecer o trabalho bem feito e corrigir deficiências a fim de garantir o sucesso contínuo da Instituição;
  • Possuir conhecimentos em gestão de programas, a nível geralmente adquirido por meio de uma certificação no assunto.
  • Ser capaz de pesquisar referências e tendências para formular as melhores recomendações para o desenvolvimento e melhoria de programas/projetos que melhor servirão a Comunidade / a organização
  • Possuir competências bem desenvolvidas de rede e networking e relações interpessoais para facilitar recolha de informações e dados provenientes de uma rede de profissionais de vários países / setores / organizações, de identificar e de priorizar as necessidades mais críticas da Comunidade;
  • Ser capaz de gerir e de coordenar iniciativas de gestão de usuários e de formular recomendações;
  • Ser capaz de elaborar e de implementar as melhores práticas em termos de serviços ao usuário;
  • Ser capaz de elaborar e implementar planos diretores, programas e iniciativas para as partes interessadas de modo a obter apoios para novas iniciativas, de melhor compreender as opiniões divergentes, de obter recursos e de aumentar a perceção de sucesso.
  • Demonstrar diplomacia, tato e garantir respeito por pessoas de diversas origens, entender diversas perspetivas culturais, especialmente na África Ocidental, e ser capaz de transformar a diversidade em oportunidades de melhoria de programas / resultados operacionais;
  • Ser capaz de criar um ambiente interativo diversificado e inclusivo que tire proveito de dinâmicas diversas e reúna práticas inovadoras;
  • Ser capaz de permanecer objetivo na gestão de conflitos, independentemente das diferenças / posições culturais e de género, e encorajar o pessoal a ultrapassar as barreiras, as diferenças e as subjetividades culturais e sexo específicos;
  • Ter capacidade e assumir a responsabilidade de integrar uma perspetiva de género e garantir a participação igual de mulheres e homens em todos os aspetos do trabalho;
  • Ser capaz de servir os interesses de diversas equipas / organizações / comunidades que refletem uma grande diversidade cultural e de pessoas vivendo com deficiência, evitando prejuízos e preconceitos.

 

  • Tem uma perfeita compreensão da estrutura organizacional da CEDEAO, as suas dinâmicas e expectativas, para poder colaborar, participar, contribuir e liderar de forma eficaz;
  • Ter conhecimento do mandato, dos planos e das prioridades estratégicas da CEDEAO, bem como da situação e tendências económicas, políticas e sociais nos Estados Membros, no que diz respeito ao campo de atividade ligado a este posto;
  • Ter conhecimento de boas práticas, abordagens de gestão de programas e técnicas de pesquisa da CEDEAO para liderar e / ou contribuir para o desenvolvimento ou avaliação de programas, projetos ou iniciativas;

Ter conhecimento das regras e procedimentos da CEDEAO para poder interpretar e aplicar corretamente as diretivas ou textos e fornecer aconselhamento técnico, supervisionar outros agentes e avaliar o desempenho.

  • Ser capaz de analisar uma situação baseada em indicadores para avaliar os custos, os benefícios, os riscos e as e as probabilidades de sucesso nas tomadas de decisões;
  • Ser capaz der reunir informações provenientes de diferentes fontes para identificar a causa de um problema, as consequências que podem resultar da implementação de medidas alternativas, os possíveis obstáculos inerentes e os meios para evitar esse problema no futuro;
  • Ser capaz de analisar situações ou informações muito complexas em termos simples, a fim de explicar recomendações e conclusões com vista a resolver problemas ou a melhorar operações /programas/projetos;
  • Ser capaz de adotar novas abordagens para situações, de aplicar soluções inovadoras aos problemas e de criar novos métodos de resolução de conflitos ou desengajar quando métodos e procedimentos estabelecidos parecerem desatualizados ou ineficazes.

Ser capaz de comunicar e de criar impacto, de forma clara e concisa, sucinta e organizada, a fim de incutir a credibilidade e a confiança nas apresentações, estabelecendo expectativas e explicando as questões complexas;

  • Ser capaz de ouvir atentamente, de interpretar corretamente as mensagens dos outros e de reagir de maneira apropriada;
  • Possuir competências comprovadas em matéria de redação técnica e de edição de documentos;
  • Demonstrar prova de escuta ativa para incentivar uma colaboração mais estreita entre os membros da equipa, fazer prova de atenção, fazê-los sentir-se valorizados e estimular seu engajamento em todas as instituições e agências;
  • Demonstrar prova um espírito construtivo nas suas avaliações, reconhecer o trabalho bem feito, corrigir as deficiências e se esforçar para motivar os subordinados a dar o melhor de si;
  • Ter um bom conhecimento das tecnologias da informação e comunicação (TIC);
  • Ter um bom domínio de expressão oral e escrita num dos idiomas oficiais da CEDEAO (inglês, francês e português). O conhecimento de um dos outros dois idiomas constituiria uma mais-valia.
  • Possuir competências em gestão organizacional e em gestão de projetos / programas e demonstrar de forma sólida experiência na determinação de prazos, de objetivos, dos custos e de recursos necessários para produzir resultados operacionais de programas / projetos, de acordo com a ‘abordagem de gestão baseada nos resultados;
  • Ser capaz de estabelecer as metas e os objetivos efetivos para si próprio, para os outros e para o serviço, bem como ajustar as prioridades de trabalho ou projeto à medida que as circunstâncias mudam;
  • Ser capaz de utilizar uma abordagem participativa na planificação de projetos, de identificar as lacunas que afetam a obtenção dos resultados dos programas / projetos, de conceber e de implementar os planos de intervenção necessários para executar as tarefas identificadas.
  • Ser capaz de implementar práticas rigorosas de monitoramento e avaliação e determinar prazos para relatórios regulares sobre as principais realizações;
  • Ser capaz de planificar, de organizar, de controlar recursos e de garantir o respeito pelos procedimentos e protocolos para garantir a realização de objetivos específicos.

 

Share on :

Twitter Facebook Google Plus Linkedin Youtube Instgram