Comércio

O Comércio na Comunidade é evolucionário. Tempo houve em que antigos laços comerciais estavam a ser evocados para apoiar as trocas comerciais na área. Actualmente o comércio está a ser despertado com a dimensão de desenvolvimento. A CEDEAO, desde a sua criação definiu uma política comercial traçada para aumentar o comércio intra-regional, aumentar o volume do comércio e galvanizar de uma forma geral as actividades económicas na região de modo a ter impacto positivo no bem-estar económico dos cidadãos da CEDEAO.

A política comercial da CEDEAO também tem por objectivo fomentar a integração harmoniosa da região na economia mundial, nomeadamente para as escolhas políticas e prioridades de desenvolvimento dos estados com o desejo de gerar o desenvolvimento sustentável e a redução da pobreza.

O comércio total da região teve uma média de 208,1 bilhões de dólares Americanos. As exportações estão projectadas para aproximadamente 137m3 bilhões de dólares Americanos enquanto as importações totais são cerca de 80,4 bilhões de dólares Americanos. Os principais países activos no comércio são a Nigéria, que sozinha é responsável por aproximadamente 76 por cento do total do comércio seguido por Ghana (9,2 por cento) e Côte d’Ivoire (8,64 por cento). O comércio excedente da região, estimado em cerca de 47,3 bilhões de dólares Americanos imputáveis à Nigéria (58,4 bilhões de dólares Americanos) e Côte d’Ivoire com (3,4 bilhões de dólares Americanos) quando todos os outros Países têm um défice na balança comercial.

Hoje, o comércio total da CEDEAO aumentou uma média de 18 por cento por ano entre 2005 e 2014. É dominado pelos produtos mineiros e agrícolas (recursos petrolíferos, ferro, bauxite, manganese, ouro, etc..) e agricultura (café, cacau, algodão, borracha, frutas e vegetais e outros produtos comercializados antes na região (cereais secos, raízes e tubérculos, produtos pecuários), etc. Nigéria, Côte d’Ivoire, Gana e Senegal concentram 87 por cento deste comércio, com 79 por cento de importações regionais (55,520 milhões de dólares Americanos por ano) e 94 por cento de exportações e reexportações (77,792 milhões de dólares Americanos por ano).

A principal característica da política do comércio da Comunidade é o Programa de Liberalização do Comércio da CEDEAO. O objectivo do programa é criar, de forma progressiva, uma União Aduaneira entre os Estados-Membros da Comunidade num período de quinze anos, a iniciar no dia 01 de Janeiro de 1990, data de entrada em vigor do Sistema. A União Aduaneira, entre outras coisas, envolverá a eliminação total dos direitos aduaneiros e impostos de efeitos equivalentes.

O Programa de Liberalização do Comércio da CEDEAO envolve três grupos de produtos e mercadorias não transformadas, produtos de artesanato tradicional produtos artesanais, produtos industriais.

Pretende-se que o programa proporcione várias vantagens aos Estados-Membros e seus cidadãos à medida que estabelecem relações comerciais entre eles. Eis aqui um exemplo: Uma das grandes vantagens para as mercadorias não processadas importadas de um Estado-Membro, conforme incluído na Decisão C/DEC.8 /11/79 do Conselho de Ministros, é a isenção total de encargos e impostos de importação, livre circulação sem qualquer restrição em termos de quantidade bem como o não pagamento de compensação por perda de rendimento como um resultado da importação. Desde que os produtos não processados, entre outras condições, provenientes de Estados-Membros da Comunidade devam constar na lista de produtos anexados às decisões de liberalizar o comércio nestes produtos.

Também existem condições que se aplicam a outras categorias de artesanato tradicionais e produtos industriais. Na prática, isto também significa que os Estados-Membros não devem impor novas deveres e impostos de efeito equivalente ou aumentar os já existentes. As taxas destas funções e impostos que servem como um ponto de partida para eliminar as tarifas constam da lista da Tarifa das Alfândegas da CEDEAO para cada Estado-Membro. Trata-se de uma regra vinculativa nos estados de que não serão criadas barreiras não tarifárias e que as que já existem não serão aumentadas.

Ao transportar a economia da Comunidade para o próximo nível, a facilitação do comércio não pode ser demasiado salientada. É um aspecto crítico do comércio. Também envolve a promoção do sector privado. A criação do Mercado de Investimento Comum da CEDEAO e o Desenvolvimento do Código e Política do Investimento Comum são elogiados. O mesmo se aplica ao Sistema de Informação do Mercado Mundial ECOBIZ que conduziu a um aumento positivo as actividades das Agências de promoção de Investimento da África Ocidental (IPAWAS). O comércio electrónico está a ser promovido na região através da plataforma já desenvolvida pela ECOBIZ. Relativamente à capacitação do comércio, foi criado um Comité Internacional no âmbito do projecto de Capacitação de Negociação do Comércio da CEDEAO (TNCB).

Para orientar os cidadãos e garimpeiros ao nível mundial, o Centro de Informática da Comunidade (CIC) começou a preparar o desenvolvimento de um programa de desenvolvimento de dados e partilha de informações para o sistema de trânsito regional (ALISA) para o qual o Centro já validou o manual de procedimentos com o grupo de peritos regionais.

Tudo isto criou uma situação onde a Tarifa Externa Comum (TEC) que iniciou em Janeiro de 2015 tem actualmente uma oportunidade real para impulsionar as economias de África Ocidental enquanto permite aos cidadãos da área ter uma oportunidade real de usufruir dos benefícios de um comércio.

Com a TEC, os Estados-Membros pagarão uma tarifa uniforme em todas as fronteiras da sub-região. É um dos pontos de referência da CEDEAO. Conhecida a Tarifa Externa Comum (TEC), os cidadãos da África Ocidental terão através dela uma oportunidade real de usufruir de benefícios de um comércio impulsionado. Com este desenvolvimento, também se pode esperar de forma segura ter uma melhoria da implementação no Sistema de Liberalização do Comércio da CEDEAO (SLCC). A TEC é um marco de referência importante relativo à criação de uma União Aduaneira para a África Ocidental.

Share on :

Twitter Facebook Google Plus Linkedin Youtube Instgram